Se você está interessado em baixar algum álbum postado a partir de 2015, entre em contato por e-mail: prolasdorock@yahoo.com ou deixe seu contato nos comentários (este não será visível publicamente), e o link será enviado o mais breve possível!


Mais informações aqui: http://goo.gl/ra9cdp


-------------


If you are interested in downloading any posted album from 2015, contact by email: prolasdorock@yahoo.com or let your email in comments (this will not be visible publicly) and the link will be sent as soon as possible!


More info here: http://goo.gl/ra9cdp

terça-feira, 21 de agosto de 2018

PROG FOLK - JONATHAN - Same - 1970


Artista / Banda: Jonathan
Álbum: Jonathan
Ano: 1970
Gênero: Progressive / Folk Rock
País: Itália

Comentário: Músico originário de Livorno, na região central da Itália, que começou sua carreira na música nos anos 60, em dupla com o francês Michelle Loskady, fazendo covers e chegando a lançar alguns compactos. Este é seu único álbum solo, cujas informações são mínimas (inclusive os músicos desconhecidos), lançado em um pequeno selo suíço e hoje impossível de achar.
São 12 curtas faixas que mesclam folk e pitadas de rock progressivo, ou proto-prog, já que este ainda estava se desenvolvendo no país. O álbum é muito voltado a parte lírica, com a bela voz de Pracchia, e letras todas em italiano, havendo algumas partes de declamações a capella, porém o acompanhamento instrumental tem seus ótimos momentos, se destacando de outros discos deste gênero, com violão 12 cordas, percussão e principalmente flauta, além de alguns momentos de órgão Hammond e guitarra.
Certamente uma pérola para fãs de RPI e prog/ folk em geral, recomendado!

A musician from Livorno, in central Italy, he started his career in music in the 60s, in a duo with Frenchman Michelle Loskady, making covers and even releasing some singles. This is his only solo album, whose information is minimal (including unknown musicians), released on a small Swiss label and impossible to find today. 
They are 12 short tracks that mix folk and touches of progressive rock, or proto-prog. The album is very focused on the lyric part, with the beautiful voice of Pracchia, and all lyrics in Italian, with some parts of word-spoken declamations, but the instrumental accompaniment has its great moments, mostly acoustic, with 12 string guitar, percussion and mainly flute, in addition to electric guitar and organ moments. Recommended gem for fans of RPI and prog / folk in general!

Músicos:
Maurizio Pracchia (Jonathan)
?

Faixas:
01 Lontano
02 Il treno
03 E' tutto vero e non è vero niente
04 Signor Rossi
05 Haoum
06 Come colombacci di passaggio
07 Nel giardino di Dio
08 Il castello oltre il soffitto
09 Io di più
10 Milano ore 25
11 Il fiore nella polvere
12 L'infame rospo

domingo, 12 de agosto de 2018

MPB - VARIOUS - Pra Quem Sabe Das Coisas - 1973


Artista: / Banda: Vários Artistas (V.A.)
Álbum: Pra Quem Sabe Das Coisas
Ano: 1973
Gênero: MPB / Latin Jazz
País: Brasil

Comentário: Eis aqui um dos discos mais raros da história da música brasileira! As únicas informações conhecidas dessa obra se encontram na contra-capa do álbum, gravado nos Estúdios Reunidos S.A., em São Paulo, e lançado pela Ebrau (Editora Brasileira Autores Unidos) em 1973, com uma tiragem provavelmente mínima. Dos artistas creditados apenas Renato Mendes (que já foi postado no blog) teve uma breve carreira solo, os outros provavelmente tiveram apenas estas músicas gravadas. Qualquer informação sobre este álbum é bem vinda.
São apresentadas 11 curtas canções de MPB, seguindo a tendência dos grandes nomes da época, com leves doses de bossa nova e jazz, além do eletrônico de Renato, fazendo versões de clássicos da nossa música. Os vocais são majoritariamente femininos e delicados (a não ser nas faixas creditadas a Marcão e Cau), tendo temática ora abstrata ora romântica e acompanhados por belos arranjos no piano, flauta e percussão. A qualidade de gravação não é das melhores, mas nada que estrague a beleza desta pérola. Altamente recomendado para apreciadores de MPB!
Obrigado ao leitor Benedikt por disponibilizar esta obra, inédita na web.

Here is one of the rarest albums in the history of Brazilian music! The only known information about this LP is found on the back cover, recorded in São Paulo, and released by Ebrau (Editora Brasileira Autores Unidos) in 1973, with a probably minimal number of copies. Of the artists credited only Renato Mendes had a brief solo career, the others probably only had these songs recorded. Any plus information of this album is welcome.
11 short songs are presented, following the great MPB names of the time, with light doses of bossa nova and jazz, besides the electronic versions of Renato. The vocals are mostly female and delicate (except in the tracks credited to Cau and Marcão), having abstract lyric and accompanied by beautiful arrangements in the piano, flute and percussion. The recording quality is not the best, but nothing that spoils the beauty of this gem. Highly recommended!
Thanks to the reader Benedikt for making available this unpublished LP on the web.

Faixas:
01 Cau - Coisa E Tal
02 Liliana - Prá Quem Sabe Das Coisas
03 Renato Mendes - Aldeia
04 Marcão - Mutação
05 Cau - San Fernando
06 Eulalia - Fim De Noite
07 Eulalia - Último Canto
08 Cau - De Você No. 2
09 Vera - Rosas E Garrafas
10 Liliana - De Você No. 1
11 Renato Mendes - Milagre Azul

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

BLUES ROCK - BIG JOHN WRENCHER - Maxwell Street Alley Blues - 1969


Artista: / Banda: Big John Wrencher
Álbum: Maxwell Street Alley Blues
Ano: 1969
Gênero: Blues Rock / Chicago Blues
País: EUA

Comentário: Músico nascido no Mississipi em 1923, que começou sua carreira nos anos 40 nos estados do sul dos EUA após aprender a tocar gaita sozinho na infância. Perdeu um braço em 1958, se estabelecendo em Chicago após o acidente, quando passou a tocar na rua Maxwell e acompanhando outros músicos, quando conseguiu contrato para gravar seu próprio LP. Veio a falecer em 1977, lançando mais um derradeiro álbum dois anos antes.
O debut é uma típica obra de 'Electric Blues' / Blues Rock, que se popularizou na mesma década, graças a grandes nomes do gênero, como Muddy Waters, Sonny Boy Williamson e Little Walter, porém sem deixar de lado as raízes do Chicago Blues. Conta apenas com o apoio simples da bateria e guitarra, que acompanham o lamento da protagonista harmônica e do vozeirão rasgado de Wrencher. Sendo um disco bem executado e sólido, poucos momentos ficam abaixo do bom. Prato cheio para todos os blueseiros de plantão.

While most blues albums bear romantic-sounding titles like the one used here, this is the real deal. Wrencher's one-armed amplified harp playing is perfectly supported by the lone guitar of Little Buddy Scott and the bar-bones basic drumming of Playboy Vinson. Listing titles is superfluous, since the feel and the ambience is the important thing. But blues albums seldom capture that elusive quality the way it is here, and that's the secret of its charm. Superlative in every regard, this is a great album by a very under-recorded artist.
Text: AllMusic


Músicos:
Playboy Vinson (bateria)
 Little Buddy Thomas (guitarra)
Big John Wrencher (harmônica, vocal)

Faixas:
01 Maxwell Street Alley Blues 4:12
02 Special Rider Blues 2:43
03 Back Porch Boogie 3:21
04 No Good Weasel 3:52
05 Goin' Upstairs 4:57
06 Dust My Bed 3:36
07 Root Man Blues 5:05
08 Moonshine Blues 8:05
09 Ha-Ha Baby 5:20
10 Conductor Blues 5:21
11 Rockin' Chair Blues 4:29
12 12th Street Boogie 3:12
13 Rough Tough Boogie 2:19

domingo, 5 de agosto de 2018

ZAM ROCK / FUNK - BORN FREE - Mukaziwa Chingoni - 1975


Artista: / Banda: Born Free
Álbum: Mukaziwa Chingoni
Ano: 1975
Gênero: Zam Rock / Funk Rock
País: Zâmbia

Comentário: Formado na capital Lusaka em 1972 originalmente como um trio, tendo toda sua formação refeita no ano seguinte, com a qual lançaram este único e raríssimo LP pelo selo estatal. O líder Mike Nyoni seguiu carreira solo e lançou alguns trabalhos mais tarde na mesma década.
Este álbum é dividido em 8 curtas faixas que mesclam psicodelia e principalmente o funk (por influências do soul-man Nyoni) com ritmos tradicionais da região. Guitarra wah-wah lidera o instrumental, acompanhada por baixo / bateria, simples e diretos. Algumas canções são baladas românticas (geralmente cantadas em inglês) e outras são mais carregadas de letras politizadas, cantadas em língua local e pegada marcante, que pessoalmente vejo mais próximas do estilo Zam Rock e por isso as melhores.
Ótima pérola para fãs de rock africano e especialmente zam rock.

Born Free was founded in 1972 by bandleader, drummer and vocalist Nicky Mwanza, but the band never recorded until a complete personnel change. Star-in-the-making Mike Nyoni joined as vocalist and lead guitarist; Zimbabwean-born Peter Lungu replaced Mwanza on drums; Joseph Musonda alternated between rhythm and bass guitar. Mwanza went on to form Cross Town Traffic, and Nyoni’s Born Free signed to ZMPL, recording the album Mukaziwa Chingoi (Promotion) LP in 1975. The album showcases Nyoni’s talents first and foremost, and betrays a study of funk: this is not a fuzz guitar showcase, but a wah-wah guitar dominated album – the instrumental “Mad Man” sounds like it could have been cut in Detroit, Michigan in the early ’70s. After Born Free, Nyoni went solo, signing to Christopher Ndhlovu’s Chris Editions for two albums: Kawalala and his most straight forward funk/soul release I Can’t Understand You.
Text: Now Again Records



Músicos:
Banza Mado (baixo, vocal)
Joseph Musonda (guitarra, vocal)
Mike Nyoni (guitarra, vocal)
Peter Lungu (bateria)

Faixas:
01 Namwali 4:12
02 I Don't Know 4:28
03 Messed Day 4:17
04 Promotion 3:03
05 My Dear Girl 3:09
06 Mukaziwa Chingoni 3:52
07 Come Back To Me 4:46
08 E Zambia 3:13

domingo, 29 de julho de 2018

JAZZ FUSION - KAT-TET - Women - 1980


Artista / Banda: Kat-Tet
Álbum: Women

Ano: 1980
Gênero: Latin / Spiritual Jazz
 País: Guadalupe

Comentário: Pérola vinda das pequenas ilhas Guadalupe, no Caribe, e que originou um único e raríssimo álbum lançado de forma independente, provavelmente gravado e lançado na França (apesar desta informação não ser exata). Nada mais é sabido sobre eles.
São apenas 5 faixas instrumentais, que totalizam menos de meia hora, porém mostrando muita beleza nas composições. Trata-se de uma obra de jazz fusion, mesclando influências que variam entre o jazz afro-cubano e caribenho até o Spiritual Jazz a la Coltrane, com músicos competentes que trazem solos de cada instrumento em quase todas as canções (piano, flauta, sax e percussão), sem nenhum ponto fraco. Prato cheio para fãs de jazz latino e fusion no geral, recomendado!

This confidential private album is one of the best discovery I have heard lately. Recorded in the early 80's by a bunch of brilliant musicians from Guadeloupe. You have everything you expect on this beautiful album with powerful and deep tunes like the uptempo "Nikita" with amazing flute & virtuoso piano solo, "Swing hibiscus" a subtle groovy modal tune while "Hommage" sounds like a spiritual dedication to Coltrane. "Sky 2000" & "Solange" are also brilliant tunes. Never properly distributed in France this under the radar lp is extremely hard to find. For fans of Michel Sardaby, G.E Nouel, Synchro, Louis Xavier Ladja, Fabiano Orchestra, Marius Cultier, Roland Brival.
Text: PopSike

Músicos:
Toto Jean-Marie (baixo)
Erick Danquin (bateria)
Charly Chomereau-Lamotte (percussão)
Christian Mathurin (percussão)
Patrick Jean-Marie (piano)
François Luther (saxofone)

Faixas:
01 Nikita 4:30
02 Sky 2000 5:09
03 Swing Hibiscus 4:10
04 Solange 5:00
05 Hommage 5:49

sexta-feira, 27 de julho de 2018

GLAM ROCK - IRON VIRGIN - Rebels Rule - 1974



Artista / Banda: Iron Virgin
Álbum: Rebels Rule
Ano: 1974
Gênero: Glam Rock
 País: Escócia

Comentário: Uma das bandas pioneiras no estilo Glam Rock surgiu na cidade de Edimburgo, Escócia, no ano de 1972. Foram descobertos fazendo covers de Slade e David Bowie pelo produtor Nick Tauber, que havia trabalhado anteriormente com Thin Lizzy. O Iron Virgin se vestia como a maioria das bandas do cenário Glam: maquiagem carregada e botas plataforma. A faixa-título é a melhor do disco, um legítimo rock sem firulas, com destaques para a voz de Stuart Harper e as potentes guitarras da dupla Nicol e Riva. Outro destaque fica por conta de 'Jet', que é um cover do eterno beatle Paul McCartney. Um breve comentário antes de finalizar: 'Rebels Rule' é um daqueles discos que merecia mais espaço. Merecia uma continuação, assim como a banda. Não existem tantas bandas boas de Glam Rock hoje, e as que fazem sucesso, podem se aposentar a qualquer momento.  Iron Virgin poderia estar dentro deste seleto grupo hoje. Potencial não lhes faltava, pelo menos é a impressão que fica ao ouvir o único lançamento oficial deles.


Back in 1973, riding high on his work with Thin Lizzy, Decca records sent out producer Nick Tauber off in search of a hot act to help them promote their other label called Deram Records (which put out David Bowie’s first self-titled album a year after it was established in 1967). Tauber ended up in Scotland and happened to catch a gig from Edinburgh-area band, Iron Virgin. Tauber signed the band to Deram and got them into the studio to record.
Iron Virgin was making a pretty good name for themselves before Tauber found them by playing Slade and Bowie covers, as well as their own original music all around Scotland. They dressed like their idols - decked out in sky-high platform boots and makeup. The band’s vocalist, Stuart Harper (now a high-end tie designer, pictured with the nifty “NO ENTRY” chastity belt codpiece above), made most of their stage clothes which consisted of embellished leotards, tights, and jumpsuits. Because it isn’t really “glam rock” unless your genitals are being strangled to death by something shiny andtight. 1973 was shaping up to be a pretty great year for Iron Virgin, who had only been around for about a year before Tauber “discovered” them. 


Músicos:
Stuart Harper (vocais)
Gordon Nicol (guitarra)
Lawrie Riva (guitarra) 
Marshall Bain (baixo)
John Lovatt (bateria)

Faixas:
01 Rebels Rule 3:06
02 Jet 3:03
03 Ain’t No Clown 3:25
04 Teenage Love Affair 2:56
05 Midnight Hitcher 2:49
06 Shake That Fat 3:13


terça-feira, 24 de julho de 2018

PSYCHEDELIC / FOLK ROCK - DEMON & WIZARD - Evil Possessor - 1982



Artista / Banda: Demon & Wizard
Álbum: Evil Possessor
Ano: 1982
Gênero: Psychedelic / Folk Rock
 País: França


Bom dia amantes do Rock and Roll, como estão? Fico muito feliz em dizer, a todos vocês, que a partir deste post sou o novo editor do Pérolas do Rock, junto ao grande André. Aliás, quero agradecer pela oportunidade que ele está me dando neste momento. Espero que aproveitem cada relíquia que vamos trazer aqui. Sejam sempre bem-vindos ! LET'S ROCK! (Mathews Leal)

Comentário: O duo enraizado na cidade de Reims, França, trouxe, ao cenário Psychedelic / Folk, um disco que poderia ter sido usado como trilha sonora de algum filme de terror dos anos 1970 ou 1980. Violões, baixo, guitarras elétricas e sintetizadores se misturam ao prog eletrônico francês clássico e montam uma verdadeira atmosfera sombria, música após música. Alguns destaques do álbum: 'Medieval Holocaust' é uma canção acústica que te leva para um passeio melancólico. Durante toda a 'viagem', a única coisa que você pode ouvir é o estalar das cordas do violão que seguem te acompanhando até o fim. Parece uma despedida, realmente. Falando de 'Black Witch', é a única canção do disco que é cantada (por um homem chamado Phil - creditado no disco). Assim como em todo o disco, há o uso exagerado dos sintetizadores. É uma música boa de ouvir, com uma boa melodia misturada a também boa voz do desconhecido Phil. Na época do lançamento, somente 300 cópias de 'Evil Possessor' foram comercializadas por um selo local. Hoje, revisitada como relíquia, pode ser encontrada em loja de discos da Europa. É, de fato, um dos LP's franceses mais procurados.

Mellow Electronic/Psych/Folk music by two guys going by the names of Ramx and Robb, using only electronics and guitars.Slow motion, atmospheric and deeply psychedelic.The tracks can be divided into three categories: those, which are highly synth-based with sequencers, loops and rhythmic ambiences, apparently played only by the Robb guy.Definitely influenced by the 70's electronic masters like Tangerine Dream.The other categoty includes the acoustic pieces, which are very monotonous.The third and propably the best contains synth-based soundscapes mixed with acoustic and electric guitar qualities and serve the needs of more demading listeners.One of the most highly sought-after French LP's. 
Text: Rate Your Music




Músicos:
Robb (guitarra, vocais e teclados)
Ramx (violão e guitarra acústica)
Phil (vocais, guitarra elétrica e acústica em Black Witch, somente)

Faixas:
01 Prologue 2:17
02 Evil Possessor 4:55
03 Medieval Holocaust 0:54
04 Trip to Hell 4:43
05 Faust Revival 2:35
06 Cerbere 1:03
07 Shakin' The Gates of Hell 5:23
08 Black Witch 5:37
09 Mrs Peller 4:22
10 Epilogue 5:02



domingo, 22 de julho de 2018

PROGRESSIVE ROCK - MARTIN WALL - Metaphysical Facelift - 1977


Artista / Banda: Martin Wall
Álbum: Metaphysical Facelift
Ano: 1977
Gênero: Progressive Rock
 País: Canadá

Comentário: Raridade vinda de Hamilton, Ontario, de onde é o músico Martin Wall, que produziu e lançou seu único disco de forma independente, com parceria de alguns ex-parceiros da sua banda Vehicle. O álbum é composto basicamente de 4 faixas curtas e uma de 15 minutos no lado B, além de algumas de poucos segundos. Rock progressivo é o estilo dominante, em momentos mais sinfônico, outros com influência de música clássica (como no caso da suíte) e beirando o prog-pop em alguns momentos de vocal melódico, que ofuscam a beleza do instrumental. Os teclados de Wall se destacam, tendo belas passagens de piano clássico (sua formação) até sintetizadores viajantes, acompanhados por guitarra/baixo/bateria, infelizmente limitados pela produção precária. Destaque para "Golden Glow" e, claro, "Metaphysical Facelift", que fecha muito bem a obra.
Nenhuma grande contribuição para o gênero, mas mesmo assim vale a audição aos 'prog-heads' de plantão.

Made with the most modest of means, Metaphysical Facelift is a testament to ingenuity and perseverance, but most of all to sublime songwriting. Martin’s voice and songs are melancholic and timeless, reminiscent of Bill Fay, Robert Wyatt and at times Brian Wilson. On the album, Martin sings and plays piano, polymoog, mellotron, and Cat synthesizer. He also had a few friends join him on bass, guitar, drums, and backing vocals. The ambitious arrangements and production, stacked full of effects, overdubs and electronics is impressive, like a charmingly home-baked Goodbye Yellow Brick Road. A private pressed record of the highest order, sure to make deep impressions on open-minded listeners for years to come.


Músicos:
Bert Garfield (violão)
Owen Thomas Smith (backing vocal)
Bill Gee (baixo)
Richard Llewellyn Hawksby (baixo)
Bob Latzer (bateria)
Gary Scott (bateria)
Martin Wall (vocal, sintetizador, piano, mellotron)

Faixas:
01 Chanson d'ordinaire 0:25
02 Ordinary Man 3:47
03 Choral Prelude 0:20
04 Dear Friend 2:43
05 Golden Glow 3:03
06 Time Will Tell 4:02
07 Monk's Access 0:27
08 Metaphysical Facelift 15:26

segunda-feira, 16 de julho de 2018

PSYCHEDELIC POP - THE APOLLO (太陽神樂隊演奏) - Moon Stars - 1968


Artista / Banda: The Apollo (太陽神樂隊演奏)
Álbum: Moon Stars
Ano: 1968
Gênero: Psychedelic Pop / Folk / Easy-Listening
 País: Hong Kong

Comentário: Raridade vinda de Hong Kong! Pouco se sabe sobre esta banda, que foi projeto de estúdio liderado pelo organista Oscar Young (楊道火), lançando grande número de LPs durante as décadas de 60 e 70, além de acompanhar cantores populares no país.
'Moon Stars' talvez seja seu primeiro disco, lançado pela New Wave. São 12 curtas faixas instrumentais que totalizam cerca de 30 minutos, sendo a maioria releituras 'modernas' de canções tradicionais ou de sucesso local. A dobradinha órgão / guitarra elétricos domina todas as canções, bem ao estilo sessentista, com um pop psicodélico meio ingênuo ora com ares de 'música de elevador' / easy-listening, ora trazendo ótimos momentos de criatividade. Mesmo assim vale a audição pela raridade e localidade de origem.

Rarity coming from Hong Kong! Little is known about this band, which was a studio project led by organist Oscar Young (楊 道 火), releasing a large number of LPs during the 60s and 70s, as well as accompanying popular singers in the country.
'Moon Stars' is perhaps their first album, released by New Wave Records. There are 12 short instrumental tracks totaling about 30 minutes, most of which are 'modern' versions of traditional or local hits. The double electric organ / guitar dominates all the songs, in the sixties style, with a naive /  elevator music / easy-listening psychedelic pop, sometimes bringing great moments of creativity. Even so, it is worth listening for the rarity and locality of origin.

Músicos:
Oscar Young (楊道火) (guitarra, órgão, produção)
?

Faixas:
01 一吻定情 2:04
02 偷心的人 2:27
03 第二梦 2:32
04 水長流 3:35
05 山前山后百花开 2:09
06 知道不知道 2:45
07 茶叶青 2:02
08 初一到十五 1:31
09 故乡之歌 2:21
10 抛红豆 2:16
11 恨不相逢未嫁时 2:43
12 星星.月亮 2:11

quarta-feira, 11 de julho de 2018

FOLK ROCK - IAIN McLENNAN / RUSSELL McDOUGALL - MAC II - 1972


Artista / Banda: Iain McLennan / Russell McDougall
Álbum: MAC II
Ano: 1972
Gênero: Folk Rock
País: Austrália

Comentário: Duo obscuro, formada em Newcastle, Austrália, no início dos anos 70, gravando um único álbum privado, considerado um dos mais raros do país. Ambos os músicos seguiram breves carreiras em pequenos grupos locais, porém sem sucesso. Neste registro ouvimos 12 curtas canções de folk rock com pitadas de psicodelia, porém na maioria do tempo melancólico e acústico. Belas harmonias vocais dominam, acompanhadas principalmente por violões e em momentos por percussão e piano. Destaque para "Wooden Lady", "Skies", "Lalena" e "7 Hours Gone". 
Aqueles exemplos de discos que valem mais pela raridade do que qualidade, mas mesmo assim não decepcionam fãs de folk. 

Duo formed in Newcastle, Australia, in the early 1970s, recording a one private album, considered one of the rarest in the country. Both musicians followed short runs in small local groups, but without success. In this record we hear 12 short folk rock songs with little touches of psychedelia, however melancholy and acoustic in most of the time. Fine vocal harmonies dominate, accompanied mainly by acoustic guitars and in moments by percussion and piano. Highlight for "Wooden Lady", "Skies", "Lalena" and "7 Hours Gone".
Those examples of records that are worth more for rarity than quality, but still do not disappoint folk fans.

Músicos:
Russell McDougall (violão, vocal, guitarra)
Iain McLennan (violão, bongos, vocal, piano, bateria)

Faixas:
01 Wooden Lady
02 Happiness
03 The Fashionable Thing
04 Skies
05 Flower Girl
06 Smiling
07 Early Morning Girl
08 The Death Of Love Poet
09 Lalena
10 Sweet Baby Brown Eyes
11 7 Hours Gone
12 Goodbye, Rainbow Child