Se você está interessado em baixar algum álbum postado a partir de 2015, entre em contato por e-mail: prolasdorock@yahoo.com ou deixe seu contato nos comentários (este não será visível publicamente), e o link será enviado o mais breve possível!


Mais informações aqui: http://goo.gl/ra9cdp


-------------


If you are interested in downloading any posted album from 2015, contact by email: prolasdorock@yahoo.com or let your email in comments (this will not be visible publicly) and the link will be sent as soon as possible!


More info here: http://goo.gl/ra9cdp

sábado, 24 de dezembro de 2016

FÉRIAS!



O ano aproxima-se do fim e o dono deste blog descansará por algumas semanas, porém voltarei com novas postagens em janeiro, trazendo o melhor do rock obscuro dos quatro cantos do planeta! Agradeço aos leitores do blog pela participação, através de comentários, e-mails e mensagens. Desejo a todos boas festas e um ótimo 2017!

Wish all the blog readers Merry Christmas and a happy new year, with a lot of rock'n'roll!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

OPERA ROCK - VARIOUS - Gubec-Beg: Rock Opera - 1975


Artista / Banda: Various (Krajač - Metikoš - Prohaska)
Álbum: Gubec-Beg: Rock Opera
Ano: 1975
Gênero: Opera Rock
Países: Sérvia / Croácia

Comentário: Primeira ópera rock da antiga Iugoslávia, com presença de vários artistas nascidos nas atuais Sérvia e Croácia, baseando-se na história da revolta de um vilarejo medieval. O LP é dividido em 9 faixas curtas e todas cantadas em língua local, porém com forte tom de dramatização e ópera (onde ouvimos coros e vocais masculinos e femininos). O instrumental é outro ponto interessante, revezando momentos sinfônicos e outros de rock'n'roll, destacando-se a presença marcante de guitarra e órgão Hammond.
Altamente recomendado para fãs de rock da 'Cortina de Ferro' e ópera rock.

First opera-rock from the former Yugoslavia, with the presence of several artists born in the present Serbia and Croatia, based on the history of the medieval village rebellion. The LP is divided into 9 short tracks and all sung in local language, but with a strong tone of dramatization and opera (where we hear choruses and male/ female vocals). The instrumental is another interesting point, symphonic moments taking turns with others of rock'n'roll, emphasizing the good presence of guitar and Hammond organ. Highly recommended for fans of 'Iron Curtain' music and opera-rock in general.

Músicos:
Josipa Lisac (vocal)
Branko Blace (vocal)
Marijan Kasaj (vocal)
Miro Ungar (vocal)
Djani Segina (vocal)
Boris Pavlenic (vocal)
Vlado Kovacic (vocal)
Tomislav Boric (vocal)
Sanda Fiderseg (vocal)
Miljenko Prohaska 
Ante Mazuran (guitarra)
Branko Kezele (baixo)
Berislav Puhlovski (percussão)
Rajko Dujmic (órgão)
Zlatko Tanodi (piano)
Slaven Racki (violão 12 cordas)
Marijan Makar  (violão 12 cordas)


Faixas:
01 Uvertira 3:00
02 Legenda o Dori Arlandovoj 5:30
03 Mogaićeva molba 2:25
04 U Tahyjevom zamku 4:00
05 Janino ludilo 7:00
06 Ave Marija 4:10
07 Pijanci 4:35
08 Gupčeva zakletva maču 6:22
09 Finale 4:20


quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

JAZZ ROCK - MUSYL & JOSEPPA - RoZZ - 1973


Artista / Banda: Musyl & Joseppa
Álbum: RoZZ
Ano: 1973
Gênero: Jazz Rock
País: Áustria

Comentário: Vinda de Graz, esse é o primeiro trabalho do casal e dupla Paul e Joseppa Musyl, que lançaram vários LPs até a morte de Joseppa, em 2015. RoZZ, cujo nome deriva dos gêneros Rock e Jazz, traz uma mistura atípica dos estilos, em momentos próxima do vocal jazz e outros de fusion e prog, com vocais femininos, letras em inglês e alemão. O instrumental varia entre passagens acústicas e outras muito bem arranjadas e complexas, onde ouvimos piano, violino, flauta e guitarra.
Ouçam e tirem suas conclusões, interessante para fãs de jazz rock em geral.

Coming from Graz, this is the first work of the duo Paul and Joseppa Musyl, that released several LPs until the death of Joseppa in 2015. RoZZ, whose name derives from the genres Rock and Jazz, brings an atypical mixture of styles, in moments close to vocal jazz and others of fusion and prog, with female vocals, lyrics in English and German. The instruments vary between acoustic passages and other very well arranged and complex, where we hear piano, violin, flute and guitar.
Listen and draw your conclusions, interesting to jazz rock fans in general.

Músicos:
Steve Horvath (baixo)
Paul M. Musyl (guitarra, flauta)
Gerhard Wambrechtshamer (órgão)
Günter Meinhart (percussão)
Fritz Ozmec (percussão)
Otto Irsic (percussão, violoncelo)
Gerhard Wambrechtshamer (piano)
Hans Peindl (violino)
Joseppa (vocal)

Faixas:
01 Let The Little Kids Play 3:10
02 Kia Kia 4:56
03 Sanatorium H.G.H. 3:14
04 Based On Sex 4:26
05 High & Sigh 3:59
06 Please Me 3:48
07 Ein Freund Ging Nach Amerika 3:30
08 Where Life Is Best 3:55
09 Dodeka Oder Die Vernunft Und Das Gefühl 4:18
10 Lisa 2:32
11 Change Of Sign 4:53
12 Aha 3:01



sábado, 17 de dezembro de 2016

ELECTRONIC PROG - EDOUARD ARTEMIEV - Siberiade - Bande Originale Du Film D'André Kontchalovski - 1979


Artista / Banda: Edouard Artemiev (Эдуард Артемьев)
Álbum: Siberiade - Bande Originale Du Film D'André Kontchalovski
Ano: 1979
Gênero: Progressive Electronic / Soundtrack
País: Rússia

Comentário: Conhecido músico e compositor russo nascido em Novosibirsk, responsável por várias trilhas sonoras de filmes no período soviético e também discografia solo. Neste LP, lançado na França e feito para o filme Siberiade, de 1979, ouvimos dois lados bastante distintos (talvez por conta do enredo original). O primeiro baseado em canções tradicionais russas, acústicas e com presença de coral, enquanto no lado B (a partir de "Révélation"), ouvimos som totalmente instrumental, experimental e viajante, próximo do progressivo eletrônico, onde predominam sintetizadores de Artemiev e Bogdanov.
Mais um tesouro escondido da antiga URSS, para fãs de prog eletrônico é certamente um bom pedido.

Siberiade was directed in 1979 by Russian film maker Andreyi Konchalovski. Siberiade was filmed in 1979, won the Jury Special Prize in Cannes that year, and brought him the international recognition that would eventually take him to Hollywood.
The soundtrack, never released on CD, is something of a mystery. There is a clear cut distinction between sides A and B of the record, probably related to the historical phases which the plotline describes. Side A (except track 7) contains several traditional tunes from Siberia, possibly arranged by Artemiev, through the voice of Dmitry Bouzilev.
Side B, by contrast, features synth-washed prog experiments by the Soviet band Boomerang (Бумеранг). This short-lived group includes Edouard Artemiev (better known for his soundtracks for Tarkovski's Solaris and Stalker) and Yury Bogdanov on the synths, backed by drums, bass and guitar, oscillating between more straightforward prog and ambient-like pieces. Tracks A7 and B5 are also played by the USSR State Cinema Orchestra, Révélation being one of the most interesting scores included here. 
Text: Bravo Juju



Músicos:
Edouard Artemiev (composição, sintetizadores)
Alexey Zagirov (baixo)
Yury Bogdanov (guitarra, teclado)
Sergey Bogdanov (percussão)
Dmitry Bouzilev (vocal)
+
State Symphony Cinema Orchestra

Faixas:
01 Ma Beauté A Fleuri Trop Tot 2:34
02 Le Soleil 2:45
03 Les Yeux Émeraude 2:30
04 La Chanson Des Tziganes De Sibérie 2:07
05 Le Long Chemin 0:53
06 Dimitri 2:12
07 Révélation 2:12
08 Le Feu 5:25
09 Le Vent De L'Espoir (Char À Voile) 2:44
10 Le Tourbillon De L'Histoire 3:29
11 Les Balançoires 3:04
12 Le Mort Du Héros 4:37


quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

BOOGIE / BLUES ROCK - CROWBAR - Bad Manors - 1971


Artista / Banda: Crowbar
Álbum: Bad Manors
Ano: 1971
Gênero: Blues Rock / Boogie Rock
 País: Canadá

Comentário: Grupo vindo de Toronto, ativo na primeira metade dos anos 70 e que ganhou certa popularidade local, lançando cinco LPs e vários singles, inclusive acompanhando Pierre Trudeau em sua campanha política em 1972. Neste segundo disco, dividido em 14 curtas faixas, ouvimos uma boa mescla de boogie, blues e country rock, típico da época. A guitarra guia o instrumental, com riffs e solos marcantes, acompanhada por piano, metais, gaita e percussão. Destaque para "Too True Mama", "Oh What A Feeling",  "Murder In The First Degree" e "Mountain Fire", apesar de ser uma obra consistente.

Group from Toronto, active in the first half of the 70's and that had local popularity at the time, releasing five LPs and several singles, including accompanying Pierre Trudeau in his political campaign in 1972. In this second disc, divided in 14 short tracks, we hear a good blend of boogie, blues and country rock, typical of the time. The guitar guides the instrumental, with remarkable  riffs and solos, accompanied by piano, metals, harmonica and percussion. Highlight for "Too True Mama", "Oh What A Feeling", "Murder In The First Degree" and "Mountain Fire", despite being a consistent work.


Músicos:
Roly Greenway (baixo, percussão, vocal)
Sonnie Bernardi (bateria, percussão, vocal)
John Gibbard (guitarra, vocal)
Rheal Lanthier (guitarra, vocal)
Jozef Chirowski (piano, órgão)
Kelly Jay (piano)

Faixas:
01 Frenchman's Filler #1 1:13
02 Too True Mama 2:52
03 Let The Four Winds Blow 2:20
04 The House Of Blue Lights 2:44
05 Train Keep Rollin' 2:49
06 Baby Let's Play House 3:02
07 Oh What A Feeling 4:18
08 Frenchman's Filler #2 0:32
09 Frenchman's Filler #3 0:35
10 Murder In The First Degree 5:10
11 In The Dancing Hold 3:48
12 Mountain Fire 3:56
13 Prince Of Peace 4:07
14 Frenchman's Filler #1 0:45


sábado, 10 de dezembro de 2016

LATIN/ FOLK ROCK - MATEO Y TRASANTE - Same - 1976


Artista / Banda: Mateo y Trasante
Álbum: Mateo y Trasante
Ano: 1976
Gênero: Latin / Folk Rock / Candombe
País: Uruguai

Comentário: Único disco lançado pela parceria dos músicos de Montevidéu Eduardo Mateo (ex-El Kinto) e Jorge Trasante (ex-Los Incas), com participação de artistas locais. Dividido em 10 curtas faixas e totalizando pouco mais de meia hora, é uma obra que mistura de forma criativa influências diversas, como ritmos latinos, afro (destaque para o Candombe) e psicodelia. Majoritariamente acústico, é dominado por belos arranjos de violão e percussão, acompanhando o poderoso vocal de Mateo (todo em espanhol), além de tímida flauta.
Álbum que pode requerer algumas audições, mas certamente agradará apreciadores de ritmos tradicionais da América do Sul

During this dark period of military dictatorship in Uruguay, Mateo reached his zenith as a composer and arranger - in case of this album, with a lot of help from world famous Afro-folk percussionist Jorge Trasante. On “Mateo y Trasante” (1976), Mateo’s second post-El Kinto album, he goes further than ever before in his sonic explorations of different percussion variations and guitar techniques, evolving a more complex musical style. Even Mateo’s voice underwent a relevant mutation for the album, which many people thought the result of a deep mental illness. (Trasante explains that Mateo was deeply influenced by Arabic music, and used the new modulations he discovered to “get into different characters with his voice.”). According to Mateo biographer Guilherme de Alencar Pinto, only around 343 copies of the album were sold; yet this record is now considered a legitimate work of art, and indisputable evidence of Mateo’s genius.


Músicos: 
Eduardo Mateo (vocal, violão, baixo)
Jorge Trasante (percussão)
+
Marcos Szpiro (flauta)
Roberto Galletti (bateria) 
Eduardo Márquez (baixo)

Faixas:
01 Dulce Brillo 4:15
02 Canto A Los Soles 2:22
03 Amigo Lindo Del Alma 4:55
04 Y Hoy Te Vi 2:45
05 Palomas 2:20
06 Un Canto Para Mamá 4:03
07 El Blues Para El Bien Mío 3:08
08 Cancion Para Renacer 3:55
09 Voz de Diamantes 2:00
10 Cancion Para El Tamborero 2:25

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

HARD ROCK - TUSK - Child Of My Kingdom (Single) - 1970


Artista / Banda: Tusk
Álbum: Child Of My Kingdom (Single)
Ano: 1970
Gênero: Hard Rock
País: Suíça

Comentário: Outra pérola da Suíça, esta formada no fim dos anos 60 em Zurique, chegando a abrir show para Deep Purple. Infelizmente lançaram apenas um compacto, após o fim seus membros passaram a integrar o grupo Tea. "Child Of My Kingdom" e "Carolina" são dois ótimos exemplos do típico 'hardão setentista', com passagens marcantes de órgão e guitarra, acompanhadas pelo vocal rasgado em inglês e bateria barulhenta. Com certeza uma banda com capacidade para ter lançado um LP, recomendado.

Another gem from Switzerland, formed in the late 60's in Zurich, this band opened a show for Deep Purple at the time. Unfortunately they released only one single, after the end its members joined the group Tea. "Child Of My Kingdom" and "Carolina" are two great examples of the typical early 70s hard rock, with roaring organ and guitar passages, accompanied by great vocals (in English) and drums. Certainly a band with the ability to release an LP, recommended.


Músicos: 
Volker Armand (guitarra)
Philippe Kienholz (órgão)
Ernst "Fögi" Vögeli (vocal)
?


Faixas:
01 Child Of My Kingdom 3:37
02 Carolina 2:40

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

HARD ROCK - MONTEZUMA - Rock Is Here / Oh What A Day - 1976



Artista / Banda: Montezuma
Álbum: Rock Is Here / Oh What A Day (Single)
Ano: 1976
Gênero: Hard Rock
País: Suíça

Comentário: Trio vindo de Soleura, na Suíça, e que lançou apenas dois raros singles em 1976. Encerrou as atividades um ano depois, quando seus integrantes foram para a banda Krokus. "Rock Is Here" e "Oh What A Day" são duas faixas curtas e simples de hard rock, guiadas pelo bom trabalho da guitarra em riffs e solos, acompanhada por bateria e baixo tímidos. O vocal é em inglês e competente. Vale a audição!


Trio from Solothurn, Switzerland, and that released only two rare singles in 1976. Ended the activities a year later, when the members joined the band Krokus. "Rock Is Here" and "Oh What A Day" are two short, simple tracks of hard rock, guided by good guitar work on riffs and solos, accompanied by drums and bass. The vocals are competent and in English. Worth a listening!


Músicos: 
Fernando von Arb (guitarra, vocal)
Jürg Naegeli (baixo, teclado)
Freddy Steady (bateria)


Faixas:
01 Rock Is Here 3:33
02 Oh What A Day 3:47


sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

ELECTRONIC PROG - ANNA SJÄLV TREDJE - On Tonkraft Radio 1978-81


Artista / Banda: Anna Själv Tredje
Álbum: On Tonkraft Radio 1978-81
Ano: 19??
Gênero: Electronic Progressive Rock 
 País: Suécia

Comentário: Duo sueco formado em meados dos anos 70 e que lançou apenas um álbum oficial em 1977: Tussilago Fanfara. Posto aqui um bootleg gravado em uma rádio de Estocolmo em 1978 e 1981, já tendo Tommy Hansen no lugar de Mikael Bojén. Conta com praticamente 7 faixas, longas e instrumentais, que seguem a linha do LP anterior, influenciado pelo progressivo eletrônico e experimentalismo da 'Berlin School'. É todo executado por sintetizadores de forma repetitiva, cósmica e com alguns efeitos.
Um ótimo e obscuro registro de prog eletrônico, recomendado para fãs do estilo.

Swedish duo formed in the mid 70's and they released only one official album in 1977: Tussilago Fanfara. I post here a bootleg recorded in a radio of Stockholm in 1978 and 1981, already having Tommy Hansen in the place of Mikael Bojén. It has practically 7 tracks, long and instrumental, that follow the line of the previous LP, influenced by the progressive electronic and experimentalism of the Berlin School. It is all performed by synthesizers in a repetitive and cosmic way, with some effects.
A great and obscure electronic prog recording, recommended for fans.

Músicos:
Ingemar Ljungström (teclados)
Tommy Hansen (teclados)

Faixas:
01 Part I  8:23
02 Part II 8:39
03 Part III 5:45
04 Part IV 6:44
05 Part V 5:53
06 Part VI 10:05
07 Intro Signal 0:13
08 Genom Movket Mot St. Jarnorna 27:59

domingo, 27 de novembro de 2016

ELECTRONIC/ MPB - RENATO MENDES - Electronicus - 1974


Artista: / Banda: Renato Mendes
Álbum: Electronicus
Ano: 1974
Gênero: Electronic/ MPB
País: Brasil

Comentário: Único e desconhecido álbum do organista paulistano Renato Mendes, pioneiro na música eletrônica no país, ganhando prêmios internacionais; ainda compôs músicas para filmes e foi professor de música. Faleceu em 2013, aos 73 anos. Neste LP ouvimos 10 interessantes versões eletrônicas da nossa música popular, de autores como Chico Buarque, Vinicius de Moraes e Paulinho Nogueira, totalizando pouco mais de meia hora. É todo executado por Ricardo no sintetizador Moog - de forma primorosa -, acompanhado por bateria.
Obra única dentro da nossa música, recomendado para fãs de MPB e Eletrônica.

The pianist and arranger Renato Mendes opened up new musical possibilities in 1974 when it launched Electronicus, perhaps the first record of electronic music in Brazil, a landmark in the history of electronic and Brazilian music. In his record he created for moog versions of classic Brazilian music known in the voice of Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Chico Buarque, among others.
Recorded on 8 channels, plus drums performed by the Norival Ricardo D’Angelo, the rest of the sound is entirely generated by Moog, which emits only one note at a time.  The whole line was built in a process which at the timewas known as "reductions" which consists of going pre-mixing several in a single track and then go re-leveraging the same again.

Text: Discogs


Músicos:
Renato Mendes (sintetizador Moog)
Norival Ricardo D’Angelo (bateria)

Faixas:
01 A Noite do Meu Bem
02 A Banda
03 Menina
04 Tristeza
05 Balanço Zona Sul
06 Tarde em Itapoan
07 Bolinha de Sabão
08 Desafinado
09 Marcha da 4.ª Feira de Cinzas
10 A Tonga da Mironga do Kabuletê