Se você está interessado em baixar algum álbum postado a partir de 2015, entre em contato por e-mail: prolasdorock@yahoo.com ou deixe seu contato nos comentários (este não será visível publicamente), e o link será enviado o mais breve possível!


Mais informações aqui: http://goo.gl/ra9cdp


-------------


If you are interested in downloading any posted album from 2015, contact by email: prolasdorock@yahoo.com or let your email in comments (this will not be visible publicly) and the link will be sent as soon as possible!


More info here: http://goo.gl/ra9cdp

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

PROG / PSYCH ROCK - ISAIAH - Unreleased Demos - 2017 (1973-77)


Artista / Banda: Isaiah
Álbum: Unreleased Demos
Ano: 2017 (1973-77)
Gênero: Progressive / Psychedelic / Hard Rock
País: Áustria

Comentário: Grupo de Innsbruck, Áustria, provavelmente já conhecido pelos frequentadores do blog devido ao seu debut de 1975, que acabou sendo o único disco oficial lançado pela banda. Posto aqui estas faixas que seriam do segundo álbum, porém nunca foram lançadas devido a não aceitação pela gravadora e acabaram redescobertas em CD-R, mas agora ganham um lançamento pela Repsychled.
São 8 faixas, sendo que 3 passam dos 10 minutos, mesclando influencias de rock progressivo, psicodélico, hard e até tímidas doses de krautrock e experimentalismo. Instrumental rico e diversificado marca o som, onde passagens de saxofone, órgão elétrico, guitarra, flauta e percussão se complementam em longos solos, tendo ainda as partes líricas.
Um ótimo e perdido registro que agradará certamente fãs de prog / psych, recomendado!

Group of Innsbruck, Austria, probably already known by the regulars visitors of the blog due to its debut of 1975, that ended up being the only official album released by the band. I post here these tracks that would become their second album, but they were never released because of non-acceptance by the record company and ended up rediscovered on CD-R, but now they get a official release by Repsychled.
There are 8 tracks, 3 of which pass 10 minutes, mixing influences of progressive, psychedelic, hard rock and even timid doses of krautrock and experimentalism. Rich and diversified instruments mark the sound, with passages of saxophone, electric organ, guitar, flute and percussion complement each other in long solos, having the lyrical parts. Strongly recommended!


Músicos:
Hans Gasser (baixo)
Walter Reschauer (bateria, percussão)
Günther Karlinger (guitarra)
Georg Gasser (teclados)
Edu Weber (guitarra, violão, backing vocal)
Gerd Raabe (vocal, flauta, violão, percussão)

Faixas:
01 Playing The Circle Game 04:20
02 Nightmare 02:42
03 Same To You 10:35
04 Zu Leise 04:35
05 No Reason 04:44
06 The Fighter 12:52
07 Long Way 11:15
08 Sunset 03:51

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

JAZZ FUSION - QUINTEPLUS - Same - 1972


Artista / Banda: Quinteplus
Álbum: Quinteplus
Ano: 1972
Gênero: Jazz Fusion
País: Argentina

Comentário: Grupo formado na capital Buenos Aires em 1969, por músicos que já haviam tocado em algumas orquestras e conjuntos, lançando um único álbum de estúdio e gravando outro ao vivo, que só foi lançado na década seguinte. Todos os membros seguiram carreira solo.
O homônimo é dividido em 8 faixas totalmente instrumentais de jazz fusion, que apesar de considerado 'tradicional' por algumas críticas, mescla boas influências de funk e música latina, liderado pelo ótima performance de Santiago Giacobbe nos teclados elétricos e Jorge Anders no saxofone, apesar de serem músicos competentes e execução sólida de todas as músicas.

Quinteplus - a core of five musicians but sometimes more on stage - was an offshoot of that collective and their shared admiration for Cannonball Adderley, soul-funk and local flavours led to this, their sole studio album in '72. They broke up the following year.
It may be musically conservative by many current jazz reference points, but that doesn't deny its appeal -- or that tenor player Jorge Anders has an assured and unwavering tone, or that driven by electric piano and bopping upright bass these guys really epitomise a kind of cool swing with Latin passion.

Your world won't be changed -- but if energetic or introspective jazz with swing and/or bite is your thing then this excellent reissue will serve you well on both counts.
Text: Elsewhere


Músicos:
Gustavo Bergalli (trompete)
Jorge Anders (saxofone)
Santiago Giacobbe (piano elétrico)
Jorge Gonzalez (baixo)
Carlos Pocho Lapouble (bateria)

Faixas:
01 Loberman, El Hombre Loco 4:10
02 Los Ejes De Mi Carreta 5:38
03 Blackman El Justiciero 4:25
04 El Marques 7:06
05 El Pasito De Nano 4:20
06 Zamba De Mis Pagos 4:08
07 La Vuelta Del Elefantor 5:16
08 Ode To Billy Joe 4:06


sábado, 2 de dezembro de 2017

ELECTRONIC / ANATOLIAN ROCK - GÖKÇEN KAYNATAN - Same - 2017 (1968-73)


Artista / Banda: Gökçen Kaynatan
Álbum: Gökçen Kaynatan
Ano: 2017 (1968-73)
Gênero: Electronic / Anatolian Rock
País: Turquia

Comentário: Nascido em 1939 em Istambul, este foi um dos músicos pioneiros na Turquia em adição de instrumentos eletrônicos às canções, apesar de gravar poucos compactos em seu estúdio particular, além de canções para a TV local.
Esta compilação da Finders Keepers traz 9 faixas, sendo algumas inéditas, curtas e instrumentais que combinam rock progressivo eletrônico, carregado de experimentações e "viagens" de moog, sintetizador (acompanhadas de bateria / baixo e raramente guitarra) e pitadas de música tradicional da região em algumas canções, podendo ser considerado um embrião do que viria a ser o Anatolian Rock. 
Apesar de um pouco datado em momentos, este é certamente um registro interessante para fãs de rock eletrônica / experimental.

Born in Istanbul in 1939, Kaynatan first came to prominence as a teenage rock’n’roller, including a stint playing alongside Turkey’s very own rock guitar god Erkin Koray. But it was his fascination with new technology and incorporating electronic sounds into music that really fired his imagination.
In 1972, he got his hands on an EMS Synthi AKS and never looked back, going on to pioneer a potent blend of Anatolian kosmische. Yet despite a reputation for innovative live performances, his long-standing distrust of the record industry meant he produced just two singles highlighting his unique sound, both of which are included here.
Do anın Ötesi brilliantly encapsulates Kaynatan’s aesthetic, lonely synth notes drifting against some bitingly grungy guitar while a primitive drum machine is pushed to its limits (watch the fantastic footage of him playing this on YouTube). The scratchy aquatic funk of Evren has the same maverick spirit of Can (serendipitously, Kaynatan studied in Germany in the early 70s), while the industrial library music of Cennet Dünyamız sounds like Bo Diddley played by a particularly louche robot.
Essentially a one-man Radiophonic Workshop creating his own sonic universe, Kaynatan’s music reflects a time when technology offered a happy – if slightly off-kilter – vision of the future. His work was a key modernising influence in Turkey’s popular culture and its self-definition as a forward-looking secular society.
Text: Team Rock - Prog

Músicos:
Gökçen Kaynatan (sintetizadores, bateria, baixo, guitarra)

Faixas:
01 Doğanın Ötesi 03:26
02 Sihirbaz 04:33
03 Pencerenin Perdesini 02:24
04 Beyoğlu'nda Gezersin 03:56
05 Clearway 03:41
06 Madımak 02:48
07 Evren (Extended Version) 04:09
08 Cennet Dünyamız 04:42
09 Lost Island 05:55

sábado, 25 de novembro de 2017

HARD PROG - GORDI - Čovek - 1978


Artista / Banda: Gordi
Álbum: Čovek
Ano: 1978
Gênero: Hard / Progressive Rock
Países: Sérvia

Comentário: Grupo formado em 1977 na cidade de Belgrado, atual capital da Sérvia e na época Iugoslávia. Lançaram cinco LPs, tornando seu som na fase final (a partir de 81) para o heavy metal, sendo pioneiro no estilo na região. Posto aqui o debut, dividido em 10 curtas faixas de hard rock, porém com forte influência progressiva. Vocais melódicos, sendo todas as letras em sérvio e instrumental equilibrado entre ótimas passagens de guitarra e teclados se revezando são as marcas principais do disco, que possui poucos momentos fracos.

Group formed in 1977 in the city of Belgrade, present capital of Serbia and former Yugoslavia. They released five LPs, turning their sound in the final phase (from 81) to heavy metal, pioneering the style in the region. Post here the debut, divided in 10 short tracks of hard rock, but with strong progressive influence. Melodic vocals, all lyrics in Serbian and instrumental balanced between great passages of guitar and keyboards taking turns are the main marks of the disc, which has few weak moments.

Músicos:
Zdenko Pomper (baixo)
Stevan Milutinović (bateria)
Zlatko Manojlović (guitarra, vocal)
Goran Manojlović (teclados, vocal)

Faixas:
01 Čovek 5:10
02 Budi gord i jak 4:16
03 Imam snage 2:55
04 Borba 4:26
05 Sutra može biti kiše 3:46
06 Misli 6:17
07 Mr. alkohol 3:22
08 Život 4:41
09 Odlazim u noć 3:10
10 Jugoslavijo 4:07


quinta-feira, 16 de novembro de 2017

PSYCHEDELIC / COUNTRY ROCK - DAVE MILLER / LEITH CORBETT - Reflections Of A Pioneer - 1970


Artista / Banda: Dave Miller / Leith Corbett
Álbum: Reflections Of A Pioneer
Ano: 1970
Gênero: Psychedelic Blues / Country Rock
País: Austrália

Comentário: Dave Miller é um cantor e músico nascido na Nova Zelândia, mas que fez toda sua carreira na música na vizinha Austrália, começando em meados dos anos 60 com o Byrds e posteriormente Dave Miller Set, onde conheceu Leith Corbett (que também passou pelo Blackfeather) antes de se juntarem para lançar apenas este raro trabalho, além de presença de amigos.
Este sólido LP traz 11 faixas curtas que misturam rock psicodélico, blues, hard e country, mistura que dificilmente decepciona, principalmente em 1970, e este caso não é exceção. As guitarras ácidas dominam, acompanhadas por boa seção rítmica, flauta e violões, variando momentos mais próximos das viagens cósmicas sessentistas e outros da agressividade do hard blues da 'nova' década. Os vocais também não decepcionam, tornando esta uma das ótimas pérolas da safra australiana dos anos 70.

Issued at the end of 1970 on Spin (through Festival), 'Reflections Of A Pioneer' was credtited to Dave Miller / Leith Corbett & Friends. The albums diverse sound was exemplified by the single 'Reflections Of A Pioneer / 353527 Charles' (November 1970) which mixed country-tinged psychedelic pop (A-side) with Led Zep. style blues-rock (B-side). As the album progresses it slides into stranger territory, with the last three tracks in particular giving full vent to the experimental aesthetic that seems to be bubbbling away underneath. The sturdy 'Your Own Motor Car' gives way to the intriguing twists and turns of the Zapppaesque 'In Your Mind' which also sounds remarkably like Love's 'Orange Skies' at times.'It's Great To Get Up In The Morning' ends the album on high with its eerie chanting and all manner of psychedelic sounds. The album sold relatively few copies and is now considered to be one of the rarest seventies Australian albums! Mastered from the original tapes, this CD comes in the original artwork with added liner notes.

Músicos:
Dave Miller (guitarra rítmica, violão, percussão, vocal)
Leith Corbett (harmônica, flauta, baixo, tímpano, percussão, violão, guitarra, vocal)
Mike McCormac (bateria)
+
Terry Gascoigne (bateria)
Alan Sandow (bateria)
Garrie Ferguson (bateria)
Robert Turner (congas, percussão)

Faixas:
01 Reflections of a Pioneer 4:08
02 Don't You Think It's Time 2:46
03 I'll Be Laughing 2:58
04 The Loner 2:16
05 Somehow 3:32
06 Good Psychology 3:30
07 353527 Charles 3:17
08 I Don't Believe It 3:33
09 Your Own Motor Car 3:10
10 In Your Mind 4:08
11 It's Great to Get Up in the Morning, but Better to Stay in Bed 5:13

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

PROG FOLK/ GARAGE ROCK - ALVA - Ja Tik Būtu - 1977


Artista: / Banda: Alva
Álbum: Ja Tik Būtu
Ano: 1977
Gênero: Prog / Psych / Folk / Garage Rock
 País: Letônia / Inglaterra

Comentário: Pérola baseada na região de Yorkshire, Inglaterra, em 1974, porém com origens letãs, lançando um único disco e se desfazendo após várias mudanças na formação. Esta é uma obra de 10 faixas, maioria curtas, exóticas e de difícil classificação, combinando elementos da música tradicional do país báltico e a explosão do rock que ocorria na época, incluindo elementos desde rock progressivo e psicodélico até garage / proto-punk. Liderado por vocais feminino e masculinos, com todas as letras em língua letã, varia momentos mais agressivos e outros calmos e acústicos, utilizando de instrumentos não usuais no rock em várias canções, além de guitarra, bateria e baixo.
Um disco de difícil recomendação, ouçam e tirem suas conclusão.

A female fronted Latvian group from the mid-Seventies that were actually based in England, Alva are regarded as a prog-folk group, but they're a lot more varied and complex than just that! Despite many of their tunes being grounded in more typically folk-based melodies, the tunes on their sole debut work from 1977 `Ja Tik Būtu' worked in everything from little traces of acid rock, psychedelic pop, Sixties garage toughness, loose jazzy runs and an almost punky murkiness (you can even hear the guitars struggling to stay in tune here and there throughout the album!), making for a very unpredictable and colourful album with a charming do-it-yourself production. [...] `Ja Tik Būtu' is a refreshingly out-of-time album that proves to be hugely addictive and enjoyable, and prog/acid-folk and garage/psych fans should investigate this welcome female-led curio immediately!
Text: Prog Archives

Músicos:
Raimonds Dāle (sinos, guitarra, vocal) 
Arnolds Dāle (bateria, tambor)
Roģeris Dāle (baixo)
Viktors Brenners (guitarra, vocal) 
Diana Ābols (vocal)

Faixas:
01 Ja Tik Būtu (3:24)
02 Pilsēta Kurā Piedzimst Vējs (1:57)
03 Kopā (2:40)
04 Svesinieks (2:38)
05 Akts (7:15)
06 Vilcienu dziesma (3:50)
07 Miglā (2:29)
08 Ziemeļvēji (2:31)
09 Es Izkūlu (3:47)
10 Jo Beigas Ir Klāt (2:30)


terça-feira, 31 de outubro de 2017

HEAVY FUNK ROCK - FADOUL - Al Zman Saib - 2015 (197?)


Artista/ Banda: Fadoul
Álbum: Al Zman Saib
Ano: 1976
Gênero: Psych / Garage / Funk Rock
País: Marrocos

Comentário: Vocalista nascido em Casablanca, no começo dos anos 40. Lançou vários compactos durante os anos 70 e 80 com seu grupo Fadaul Et Les Privilèges, até seu falecimento em 1991. Posto aqui uma compilação lançada pelo selo alemão Habib's Funk em 2015, tendo 8 faixas do "James Brown" marroquino, sendo algumas longas. Como sugere o apelido, o som é baseado em um funk rock agressivo e rústico, incluindo versões em árabe de músicas do Free (All Right Now) e próprio Brown (Papa's Got A Brand New Bag). O instrumental é simples, porém não deixa a desejar, liderado pela ótima guitarra e bateria nervosa, acompanhando os vocais com letras em língua local.
Um grande achado para quem curte rock e funk setentista 'fora do eixo', recomendado!

8 tracks of raw Arabic funk music, none of these have ever been reissued before. So far Fadoul (or Fadaul, or Faddoul, the transcribtion of his name to latin letters differs)& his music had not been rediscovered, as a matter of fact most of those songs still left no trace whatsoever in the world wide web. It took us 2 years and countless trips to Morocco to find the artists family to license the release from them. Vinyl and CD edition come with liner notes, unseen live photos and lyrics translations.
Text: Groove Attackers

Músicos:
Fadoul (vocal)
+ ?

Faixas:
01 Sid Redad 03:02
02 Laylat Al Jadba 05:12
03 Maktoub Lah 06:42
04 Tayeh 03:06
05 La Tiq Tiq Latiq 03:51
06 Al Zman Saib 03:52
07 Kalam Al Nass 06:00
08 Taarida 04:43


terça-feira, 24 de outubro de 2017

CLASSIC ROCK - LIVE - Same - 1974


Artista: / Banda: Live
Álbum: Live
Ano: 1974
Gênero: Classic Rock
País: EUA

Comentário: Esta foi uma banda americana cujas informações são totalmente desconhecidas, lançaram um único disco aparentemente em 1974 e sumiram do mapa, sendo o nome dos músicos é apenas conhecido por conta da capa. Qualquer história ou notícia sobre os caras é bem-vinda.
Este LP é composto de boas versões de grandes nomes da época, como Beatles, Elton John e Gordon Lightfoot. Apesar de certa tentativa comercial, ainda sim são covers bem executados na linha de rock clássico tradicional, ora melódico ora agitado, tendo presença de guitarra, baixo e bateria, acompanhando o ótimo vocal. Destaque para as 3 faixas mais longas. Nada de essencial, mas um registro que vale principalmente pela raridade.

This was an American band whose information is totally unknown, they released one album apparently in 1974 and disappeared of the map, being the name of the musicians only known because of the cover. Any story or news about the guys is welcome.
This LP is composed of good versions of big names of the time, like Beatles, Elton John and Gordon Lightfoot. Despite a certain commercial attempt, still the covers are well performed in the traditional classic rock line, with presence of guitar, bass and drums, accompanying the great vocal. Highlight for the 3 longest tracks. Nothing essential, but a record that is worth mostly for the rarity.

Músicos:
Bill McNeill
Ron Case
Tom Leadon
Michael Cottage

Faixas:
01 Introduction 0:55
02 Beautiful 3:34
03 I Love You Darling.. Bossa Nova 1:17 
04 Yellow Brick Road Medley 13:04 
05 Canadian Railroad Trilogy 7:38
06 Beatles Medley 8:17 
07 My Music 3:45

sábado, 21 de outubro de 2017

JAZZ FUSION / PROG / FOLK - OTTO BRANDENBURG & ANDERS KOPPEL - Valmuevejen 1975


Artista: / Banda: Otto Brandenburg & Anders Koppel
Álbum: Valmuevejen
Ano: 1975
Gênero: Jazz Fusion / Prog / Folk Rock
 País: Dinamarca

Comentário: Parceria entre os músicos dinamarqueses Otto Brandenburg e Anders Koppel, este último tecladista da conhecida banda local Savage Rose, lançando-se na carreira solo neste disco postado aqui, tendo presença de vários outros nomes importantes da cena. Este é um LP de difícil classificação, mesclando ao longo de suas 13 faixas estilos como jazz fusion, prog, pop, folk e até samba (em "Karneval"), de forma inusual. As letras são todas em língua própria, sendo algumas canções instrumentais, com destaque para os teclados de Koppel, além de esporádicas passagens sax, percussão e flauta. Uma boa pérola, ouçam e tirem as conclusões!

Partnership between the Danish musicians Otto Brandenburg and Anders Koppel, keyboardist of the well-known local band Savage Rose, starting his solo career in this record posted here, with presence of several other important names of the scene. This is an LP of difficult classification, blending throughout its 13 tracks styles like jazz fusion, prog, pop, folk and even samba (in "Karneval"), in an unusual way. The lyrics are all in their own language, with some instrumental songs, with emphasis on Koppel's keyboards, as well as sporadic sax, percussion and flute passages.

Músicos:
Anders Koppel (órgão, piano, sintetizadores)
Otto Brandenburg (vocal)
Anders Gårdmand (saxofone)
Annelise Gjøstøl (backing vocal)
Mads Vinding (baixo)
Kasper Winding (bateria, percussão)
Aske Bentzon (flauta)
Nils Tuxen (guitarra)

Faixas:
01 Preciosa 3:05
02 Jeg Drømte Om En Jord 3:40
03 Balladen Om Den Vandrende Engel 6:20
04 Den Blå Fugl 1:55
05 Karneval 1:00
06 Bryllup I Trinidad 3:50
07 Ørkenhyrden 4:00
08 Fri 5:30
09 Valmuevejen 4:10
10 Den Store Fest 1:30
11 Aftenbarnet 2:55
12 Ollies Yndlings 1:30
13 Frygt Ikke Stormen 4:42

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

PSYCHEDELIC FOLK - JOHN PHILLIPS - John - 1969


Artista / Banda: John Phillips
Álbum: John
Ano: 1969
Gênero: Psychedelic Folk Rock
 País: África do Sul

Comentário: Músico nascido no Zimbábue, mas de história quase toda desconhecida, que lançou apenas um raríssimo álbum de apenas 200 cópias, sendo a maioria destruída pela censura do regime do Apartheid na época, tornando-se um dos mais raros discos sul-africanos de todos os tempos.
Composta por 13 curtas faixas, aparentemente todas executadas por John, este é um registro quase todo acústico e folk, com uma atmosfera ácida e psicodélica em certos momentos, claramente influenciado por nomes da costa oeste americana e da cena britânica. É marcado por uma sensibilidade e beleza nas composições e arranjos que chega a surpreender, sendo guiado pelo violão e vocal, com passagens de flauta, tabla e percussão.
Um ótimo exemplo de folk psicodélico dos anos 60, recomendado para fãs do estilo.


I am lucky enough to own a copy of this amazing LP. One of only three copies that have surfaced so far in the entire world. Thirteen original songs featuring sparce but clearly psychedelic instrumentation including occasional flute tabla and finger cymbals. Vocals and lyrics are reminiscent of Syd Barett, Arthur Lee, Donovan et.al. Very little is known about John. He was a pale skinned Zimbabwean who also happened to be a transexual living in South Africa's repressive apartheid regime. Apparently maybe less than 200 copies were pressed and of those many were seized and destroyed by security police. Plans are a foot to do a reissue sometime in the near future, so keep your eyes and ears open for further news.
Text: Discogs

Músicos:
John Phillips (vocal, violões)
?

Faixas:
01 Ballad of a Tall Man 2:04
02 Peppermint Wind 3:00
03 The Rock 1:25
04 Willow Brook 2:40
05 Paint Box Jester 1:53
06 Scaramouche 3:41
07 Pre Ante Pen Ultimatum 2:34
08 Mulberry Avenue 3:13
09 Whisper to the Wind 2:32
10 The Bird With Plastic Feathers 2:57
11 Sylvia 2:38
12 Permutation Child 2:32
13 Look at the Time Fly 3:53

domingo, 8 de outubro de 2017

COUNTRY / HARD ROCK - NOAH - Peaceman's Farm - 1972


Artista / Banda: Noah
Álbum: Peaceman's Farm
Ano: 1972
Gênero: Hard / Psych / Country Rock
 País: Canadá

Comentário: Grupo de Ontário fundado pelo holandês Barry Vandersel em meados dos anos 60, passando por mudanças de nome e formação, até finalmente serem Noah, lançando assim dois álbuns. A banda acabou prematuramente após a morte do líder em 75, por conta de um câncer. 
Posto aqui o segundo e último disco, com participação de Randy Bachman (ex-The Guess Who), dividido em 10 faixas, sendo algumas voltadas ao hard rock e outras mesclam de forma agradável country, psicodelia e folk rock, em alguns momentos mais melódico (frequentemente comparado com CSNY). O instrumental é simples e guiado pelo ótimo trabalho das guitarras, acompanhada por percussão, baixo e bateria eficientes. O vocal também é outro ponto alto, muito bem harmonizado e encaixado nas canções.
Consistente e bem executado disco, recomendado para fãs de country e hard rock dos anos 70.

Ontario's Noah appear at the midway point. Like a few bands on here, they had support from Randy Bachman who occasionally played 2nd guitar with them live and, along with production duties, allegedly played on parts of the the bands second (and final) album 'Peaceman's Farm' (1972). The album is a mix of rural sounding rock which is perfectly complemented by Paul Clapper's husky vocals as you can hear on 'Something's In the Way'. It is less pop-orientated then their debut, which is still a pretty good record but quite different to Peacaman's Farm, closer to what they recorded under their previous moniker 'Tyme And A Half'. My gripe with this album is that while it's all of good quality, it's weighted a bit to too much towards balladeering, the four or so 'rocking' tracks on it are brilliant and I would have more of them!

Músicos:
Barry "Buzz" Vandersel (vocal, baixo)
Marinus Vandertogt (guitarra, vocal)
Peter Vandertogt (bateria, percussão, vocal)
+
Randy Bachman (guitarra)

Faixas:
01 Peaceman's Farm 6:00
02 They Come, They Go 3:03
03 Sussex 3:25
04 April Roads 3:36
05 Light of a Different Day 4:02
06 For Us All 3:34
07 World Band 3:45
08 Something in My Way 3:30
09 Take Me Back 3:00
10 Never Too Late 6:03


quarta-feira, 4 de outubro de 2017

AFRO ROCK - BLACK SAVAGE - Grassland / Kothbiro - 1976


Artista / Banda: Black Savage
Álbum: Grassland / Kothbiro

Ano: 1976
Gênero: Afro Rock / Funk
 País: Quênia

Comentário: Pérola ativa em meados dos anos 70, oriunda do oeste do Quênia, região do povo Luo. O jovem quinteto lançou 3 raríssimos singles, que apesar da pouca prensagem ganharam certa influência na região. "Grassland" é uma jam majoritariamente instrumental que mescla afro funk e rock, com domínio do teclado viajante, acompanhado de percussão. "Kothbiro"é uma versão moderna de uma canção tradicional, mais cadenciada e ao estilo balada, porém com bons coros e parceria entre guitarra e teclado. As letras são toda em dholuo, dialeto local.

Black Savage was a short-lived mid-1970s group of young college-age Kenyans, namely Barrack Achieng (bass), Job Seda (a.k.a. Ayub Ogada) (percussion), Noel Drury Sanyanafwa (drums), Jack Odongo (keyboards) and Gordon Ominde (Golden Simone) (guitar). Most of them were from the Luo tribe, which may explain why the song is in the DhoLuo language. Its title means, ‘(The) Rain Is Coming’. ‘Koth Biro’ is actually a traditional DhoLuo song, possibly a lullaby. Job Seda has more recently released a more traditional version of the song, to the accompaniment of the traditional Luo lyre. The 'Grassland' single resonated within the young, urban, hipster Nairobi crowd when it dropped in 1976.
Text: Afro7


Músicos:
Barrack Achieng (baixo)
Job Seda (Ayub Ogada) (percussão)
Noel Drury Sanyanafwa (bateria)
Jack Odongo (teclados) 
Gordon Ominde (Golden Simone) (guitarra)

Faixas:
01 Grassland 4:52
02 Kothbiro 4:04

terça-feira, 26 de setembro de 2017

RAGA / PROG ROCK - ANDRÉ FERTIER & CLIVAGE - Regina Astris - 1976


Artista / Banda: André Fertier & Clivage
Álbum: Regina Astris

Ano: 1976
Gênero: Raga Rock / Prog / Jazz Fusion
 País: França


Comentário: Primeiro disco deste grupo francês, creditado também como projeto do líder, compositor e músico André Fertier. O conjunto lançou 3 álbuns entre as décadas de 70 e 80, sendo este o primeiro, e Fertier seguindo carreira solo posteriormente.
As 4 faixas presentes trazem uma mescla de música tradicional indiana, além de jazz fusion e rock progressivo, em momentos próximo do sinfônico, território desbravado anos antes por nomes como Aktuala e Shakti. Sem nenhuma parte lírica e muito bem executada por uma grande diversidade de instrumentos, como tabla e santoor (típicos), solos de violino, saxofone, guitarra e sintetizadores, provocando atmosfera viajante, intensa e até mesmo dançante.
Uma excelente pérolas para fãs de indo-prog-fusion, sem quase nenhum momento fraco, altamente recomendado!

Andre Fertier's Clivage is one of the most impressive, unheralded, French ensembles. Finding themselves in no-man's land betwixt Indian music, jazz, drone and progressive rock styles, the ensemble created three fascinating albums well worth the attention of those who seek music that falls in the cracks between genres.
The group's debut album is probably their signature statement. Featuring four long tracks, Regina Astris sets the stage for this ensemble's mesmerizing music. Instrumentally, the rhythm section is based on Armand Lemal's perucssion and Patricio Villaruel's tablas, upon which Fertier (guitar and keys), Jean Pierre de Barba (sax), Claude Duhaut (bass), and Mahmoud Tabrizizadeh (violin) weave a spellbinding tapestry, a sound that is reminiscent of Shakti, Archimedes Badkar, Oriental Wind, Aktuala and other similar groups where jazz meets the east. The drone stylings of the raga-esque music give the overall feel a trancy atmosphere where a drone is set up, and over the course of each piece, a build up slowly emerges where the instrumentalists improvise over the rhythms, continuing to advance the intensity of each piece. It ends up being over all too quickly, a virtual delight transcending several genres that should appeal to fans of east-meets-west music.
Text: Gnosis2000


Músicos:
Claude Duhaut (baixo)
André Fertier (guitarra, teclado)
Armand Lemal (percussão)
Jean-Pierre Debarbat (saxofone, flauta)
Patricio Villaroel (tabla)
Mahmoud Tabrizizadeh (violino, santoor)

Faixas:
01 Moving Waves 10:30
02 Regina Astris 12:20
03 Mama Swat 11:50
04 Tabarkha 5:00

sábado, 23 de setembro de 2017

REPOST: ACID FOLK - MOURNING PHASE - Same - 1971


Artista / Banda: Mourning Phase
Álbum: Mourning Phase
Ano: 1971
Gênero: Psychedelic Folk
Países: Inglaterra

Comentário: Atendendo a pedidos, repost de um dos primeiros e mais raros posts do blog. A história desta banda é quase toda desconhecida, incluindo seus músicos. Lançaram apenas um disco com prensagem mínima pela pequenina Eden, desaparecendo em seguida e tendo seu material redescoberto nos anos 90 pela Kissing Spell.
Dividido em 7 curtas faixas, totalizando menos de 30 minutos, este é um belo exemplo da mistura entre folk rock e psicodelia que guiou várias bandas locais na época (sendo comparado com Mellow Candle). Muito bem executado e arranjado pelos violões, com raras aparições de guitarra elétrica que acompanham os graciosos vocais femininos e masculinos, que se alternam.
Apesar de um leve toque ingênuo / amador, esta é uma das minhas pérolas favoritas de acid folk britânicas, altamente recomendado!

But the simplicity of Mourning Phase's instrumentation forms a powerful an unique poem book of dialogues for both electric and acoustic guitars, and male and graceful female voices, rejoicing and damning each other by turns. Some of the arrangements on both guitar lines and vocal discourses appear quite clever, escaping the purist folk tradition towards the straits which associate with progressive rock's and psychedelic culture's musical contexts. I also felt that the lighter load of instrumentations give more force to the adorable vocals and delightful mosaics of double guitar interplays. The compositions are in my opinion wonderful, lingering on the mental state I personally feel very comfortable with. The amateurism might be detected in closings of few songs, where I think either imagination or concentration got bit lost, and some guitar lines may prove that the musicians played on the very threshold of their own capabilities. Yet this kind of unevenness gives to me a feeling of more direct contact to the performers' personalities and sincerity in their effort, and does not lower the listening enjoyment.
Text: ProgArchives

Músicos:
?

Faixas:
01 Ring Out The Bells (4:30)
02 August Song (4:42)
03 Smile Song (3:40)
04 Dross (2:57)
05 Putrescence (5:20)
06 Damn Your Eyes (4:33)
07 Contrived (3:08)


domingo, 17 de setembro de 2017

HARD ROCK - MIFICHESKII KOKOKOL (Мифический Колокол) - Neofitsial’nii visit (Неофициальный визит) - 1979


Artista / Banda: Mificheskii Kolokol (Мифический Колокол)
Álbum:  Neofitsial’nii visit (Неофициальный визит)
Ano: 1977
Gênero: Hard / Classic Rock
País: Rússia

Comentário: Obscuridade máxima formada em Leningrado, na antiga URSS e atual São Petersburgo, por ex-músicos de bandas locais já postadas aqui, como Sankt Peterburg (foto acima) e Mifi. Aparentemente esta é a única apresentação ao vivo do grupo de vida curta, cujas gravações foram milagrosamente salvas e hoje rodam a internet, porém sem nenhum lançamento oficial. 
São 5 faixas de composição própria, que trazem um rock clássico beirando o hard e garagem, próximos aos sons das citadas acima. As músicas são cantadas em russo e o instrumental é básico, com guitarra liderando, acompanhada por baixo, bateria e teclado. A qualidade da gravação é novamente um ponto negativo.
Interessante registro para fãs do rock na antiga cortina de ferro.

Top obscurity from USSR, formed in Leningrad and now St. Petersburg, by former musicians from local bands already posted here, such as Sankt Peterburg (photo above) and Mifi. Apparently this was the only live performance of the short-lived group whose recordings were miraculously saved and today run the internet, but with no official release.
There are 5 tracks of own composition, that bring a classic rock with influences of the hard and garage, next to the sounds of the mentioned above. The songs are sung in Russian and the instrumental is basic, with guitar leading, accompanied by bass, drums and keyboard. The quality of the recording is again a negative point.

Músicos:
?

Faixas:
 01 Песнь о дружбе
02 Всё к лучшему
03 Посвящение людям искусства
04 Послушай, милый друг...
 05 О, как трудно мне представить...

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

PROG / SOFT ROCK - CONTROCORRENTE - Same - 1979


Artista / Banda: Controcorrente
Álbum: Controcorrente
Ano: 1979
Gênero: Progressive / Soft Rock
País: Itália

Comentário: Obscuridade vinda da Itália, cujas informações são quase inexistentes. Lançaram um único disco pelo pequeno selo EUN e sumiram do mapa, assim como várias bandas locais no período. O homônimo é composto por 10 curtas faixas cantadas em italiano e que trazem um progressivo bastante melódico e 'soft' rock, sendo o instrumental mais contido e acústico, onde destacam-se algumas passagens mais sinfônicas de teclados (piano, órgão e sintetizadores), acompanhadas de percussão e violão.
Longe de uma obra-prima do estilo, porém ainda interessante para fãs de RPI.

Obscure Italian Xian Pop/Psych, recording for Editrice Uomini Nuovi, the same label, that released the La Sorgente album.Leader was Massimo Ruggieri, violinist, keyboardist and singer of the band.Reputedly close to Prog, but this is actually Soft Rock with poppy sensibilites and minor psychedelic touches, similar to Il Volo Di Icaro and Siamo.Instrumental armour contains guitars, various keys, piano, violin, bass, drums, but the music is generally mellow, warm and melodic with very rare instrumental explosions.A couple of tracks contain some symphonic keyboards, mostly synthesizers, and a couple of others are breezing a few beautiful melodies.And that's about it.
Text: Rate Your Music

Músicos:
Massimo Ruggieri (vocal, piano, órgão, sintetizador, violino, violão)
Roberto Pilloni (vocal, baixo, guitarra)
Sandro Scoccia (vocal, percussão)
+
Luciano Ridolf (vocal, violão)
Franco Nocera (vocal, violão)
Marco Carpita (violão)
Aldo Gallozzi (percussão)
Carmelo D'Antone (percussão)
Carla Salvoni (vocal)

Faixas:
01 Controcorrente 04:28
02 L'Amico 03:30
03 Un Nuovo Giorno 05:00
04 Se Volo Con Lo Sguardo 04:47
05 Inno 04:08
06 E'Amore 04:16
07 Hai Mai Visto? 04:49
08 Prigioniero D'amore 03:08
09 La Voce 04:16
10 Tu! 04:37

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

HARD PROG - ALMA DA TERRA - Same - 1982


Artista: / Banda: Alma da Terra
Álbum: Alma da Terra
Ano: 1982
Gênero: Hard Prog
País: Brasil

Comentário: Trio de Niterói, Rio de Janeiro, ativa no começo dos anos 80 e que lançou apenas um raro LP, começando as gravações para um segundo, que infelizmente nunca saiu, ganhando certa popularidade local por conta da Fluminense FM. O homônimo contém 10 curtas faixas que transitam entre o hard, progressivo, psicodelia, bebendo da fonte setentista nacional, porém tendo certa roupagem mais 'moderna'. O instrumental é direto e bem executado, onde a guitarra de Agra domina, com riffs e solos marcantes, acompanhado pela boa 'cozinha', além de alguns momentos acústicos. As letras são todas em português e também bem elaboradas.
Uma ótima pérola do rock brazuca, recomendado para fãs da safra 70/80.

Trio from Niterói, Rio de Janeiro, active in the early 80's and only released one rare LP, starting the recordings for a second, which unfortunately never came out. The self-titled contains 10 short tracks that move between hard, progressive and psychedelia, with clear influences of 70's bands, but having some more 'modern' style. The instrumental is straight and well executed, where the Agra's guitar dominates, with remarkable riffs and solos, accompanied by good 'kitchen', plus some acoustic moments. The lyrics are all in Portuguese and also well elaborated.



Músicos:
Fábio Mattos Agra (vocal, guitarra, violão)
Paulo Fernandes Martins (vocal, baixo)
Antônio Augusto Ventura (bateria)

Faixas:
01 Solto no Ar
02 Vivença
03 Pra John
04 Tente Mais Uma Vez
05 Natural
06 Cante Comigo
07 Cabeça Feita
08 Anjos de Cristal
09 Alma da Terra
10 Não Morra de Susto

sábado, 2 de setembro de 2017

FOLK - HÉCTOR PAVEZ - Chants Et Danses Du Chili - 1975


Artista / Banda: Héctor Pavez
Álbum: Chants Et Danses Du Chili

Ano: 1975
Gênero: Andean Folk / Nueva Cancion Latinoamericana
 País: Chile

Comentário: Músico chileno nascido na capital Santiago em 1932 e que desde o fim dos anos 50 destacou-se como representante de canções folclóricas do país. Faleceu em 1975 devido a complicações cardíacas, tendo 4 discos em carreira solo, sendo o último, que posto aqui, produzido na França (devido ao exílio após o golpe de 1973). São 13 faixas curtas que, como indica o título, representam diversos tipos de cantos e danças tradicionais, transitando entre o folk andino, em termos de ritmos e instrumental e a nueva canción latinoamericana, pela lírica crítica. É basicamente acústico, com uso de violões, percussão, flauta e instrumentos típicos.
Um belo disco para fãs e aqueles que querem conhecer sobre folk sul-americano e nueva canción.


Chilean musician born in the capital Santiago in 1932 and that since the end of the 50s has distinguished himself as representative of folk songs of the country. He passed away in 1975 due to cardiac complications, releasing 4 solo career albums, being the last, that I post here, produced in France (due to the exile after the coup of 1973). There are 13 short tracks that, as the title indicates, represent different types of traditional songs and dances, transiting between the Andean folk, in terms of rhythms and instrumental and 'Nueva canción latinoamericana', by the critical lyrics. It is basically acoustic, with the use of acoustic guitars, percussion, flute and typical instruments.

A beautiful album for fans and those who want to know about South American folk and new song.


Músicos:
Héctor Pavez (vocal, violão, guitarra)
?

Faixas:
01 Ulluni 3:46
02 Cachimbo tarapaqueno 2:48
03 Surai surai 2:30
04 Quien dice que no se goza 1:40
05 El diablo con una espuela 3:13
06 La Luna estaba en el cielo 2:57
07 El pavo 1:52
08 El rabel para ser fino 2:21
09 De la Argentina vengo 2:17
10 La huillincana 2:06
11 La malaena 2:22
12 La pericona 2:33
13 Que pena que siente el preso 1:50