Se você está interessado em baixar algum álbum postado a partir de 2015, entre em contato por e-mail: prolasdorock@yahoo.com ou deixe seu contato nos comentários (este não será visível publicamente), e o link será enviado o mais breve possível!


Mais informações aqui: http://goo.gl/ra9cdp


-------------


If you are interested in downloading any posted album from 2015, contact by email: prolasdorock@yahoo.com or let your email in comments (this will not be visible publicly) and the link will be sent as soon as possible!


More info here: http://goo.gl/ra9cdp

terça-feira, 26 de setembro de 2017

RAGA / PROG ROCK - ANDRÉ FERTIER & CLIVAGE - Regina Astris - 1976


Artista / Banda: André Fertier & Clivage
Álbum: Regina Astris

Ano: 1976
Gênero: Raga Rock / Prog / Jazz Fusion
 País: França


Comentário: Primeiro disco deste grupo francês, creditado também como projeto do líder, compositor e músico André Fertier. O conjunto lançou 3 álbuns entre as décadas de 70 e 80, sendo este o primeiro, e Fertier seguindo carreira solo posteriormente.
As 4 faixas presentes trazem uma mescla de música tradicional indiana, além de jazz fusion e rock progressivo, em momentos próximo do sinfônico, território desbravado anos antes por nomes como Aktuala e Shakti. Sem nenhuma parte lírica e muito bem executada por uma grande diversidade de instrumentos, como tabla e santoor (típicos), solos de violino, saxofone, guitarra e sintetizadores, provocando atmosfera viajante, intensa e até mesmo dançante.
Uma excelente pérolas para fãs de indo-prog-fusion, sem quase nenhum momento fraco, altamente recomendado!

Andre Fertier's Clivage is one of the most impressive, unheralded, French ensembles. Finding themselves in no-man's land betwixt Indian music, jazz, drone and progressive rock styles, the ensemble created three fascinating albums well worth the attention of those who seek music that falls in the cracks between genres.
The group's debut album is probably their signature statement. Featuring four long tracks, Regina Astris sets the stage for this ensemble's mesmerizing music. Instrumentally, the rhythm section is based on Armand Lemal's perucssion and Patricio Villaruel's tablas, upon which Fertier (guitar and keys), Jean Pierre de Barba (sax), Claude Duhaut (bass), and Mahmoud Tabrizizadeh (violin) weave a spellbinding tapestry, a sound that is reminiscent of Shakti, Archimedes Badkar, Oriental Wind, Aktuala and other similar groups where jazz meets the east. The drone stylings of the raga-esque music give the overall feel a trancy atmosphere where a drone is set up, and over the course of each piece, a build up slowly emerges where the instrumentalists improvise over the rhythms, continuing to advance the intensity of each piece. It ends up being over all too quickly, a virtual delight transcending several genres that should appeal to fans of east-meets-west music.
Text: Gnosis2000


Músicos:
Claude Duhaut (baixo)
André Fertier (guitarra, teclado)
Armand Lemal (percussão)
Jean-Pierre Debarbat (saxofone, flauta)
Patricio Villaroel (tabla)
Mahmoud Tabrizizadeh (violino, santoor)

Faixas:
01 Moving Waves 10:30
02 Regina Astris 12:20
03 Mama Swat 11:50
04 Tabarkha 5:00

sábado, 23 de setembro de 2017

REPOST: ACID FOLK - MOURNING PHASE - Same - 1971


Artista / Banda: Mourning Phase
Álbum: Mourning Phase
Ano: 1971
Gênero: Psychedelic Folk
Países: Inglaterra

Comentário: Atendendo a pedidos, repost de um dos primeiros e mais raros posts do blog. A história desta banda é quase toda desconhecida, incluindo seus músicos. Lançaram apenas um disco com prensagem mínima pela pequenina Eden, desaparecendo em seguida e tendo seu material redescoberto nos anos 90 pela Kissing Spell.
Dividido em 7 curtas faixas, totalizando menos de 30 minutos, este é um belo exemplo da mistura entre folk rock e psicodelia que guiou várias bandas locais na época (sendo comparado com Mellow Candle). Muito bem executado e arranjado pelos violões, com raras aparições de guitarra elétrica que acompanham os graciosos vocais femininos e masculinos, que se alternam.
Apesar de um leve toque ingênuo / amador, esta é uma das minhas pérolas favoritas de acid folk britânicas, altamente recomendado!

But the simplicity of Mourning Phase's instrumentation forms a powerful an unique poem book of dialogues for both electric and acoustic guitars, and male and graceful female voices, rejoicing and damning each other by turns. Some of the arrangements on both guitar lines and vocal discourses appear quite clever, escaping the purist folk tradition towards the straits which associate with progressive rock's and psychedelic culture's musical contexts. I also felt that the lighter load of instrumentations give more force to the adorable vocals and delightful mosaics of double guitar interplays. The compositions are in my opinion wonderful, lingering on the mental state I personally feel very comfortable with. The amateurism might be detected in closings of few songs, where I think either imagination or concentration got bit lost, and some guitar lines may prove that the musicians played on the very threshold of their own capabilities. Yet this kind of unevenness gives to me a feeling of more direct contact to the performers' personalities and sincerity in their effort, and does not lower the listening enjoyment.
Text: ProgArchives

Músicos:
?

Faixas:
01 Ring Out The Bells (4:30)
02 August Song (4:42)
03 Smile Song (3:40)
04 Dross (2:57)
05 Putrescence (5:20)
06 Damn Your Eyes (4:33)
07 Contrived (3:08)


domingo, 17 de setembro de 2017

HARD ROCK - MIFICHESKII KOKOKOL (Мифический Колокол) - Neofitsial’nii visit (Неофициальный визит) - 1979


Artista / Banda: Mificheskii Kolokol (Мифический Колокол)
Álbum:  Neofitsial’nii visit (Неофициальный визит)
Ano: 1977
Gênero: Hard / Classic Rock
País: Rússia

Comentário: Obscuridade máxima formada em Leningrado, na antiga URSS e atual São Petersburgo, por ex-músicos de bandas locais já postadas aqui, como Sankt Peterburg (foto acima) e Mifi. Aparentemente esta é a única apresentação ao vivo do grupo de vida curta, cujas gravações foram milagrosamente salvas e hoje rodam a internet, porém sem nenhum lançamento oficial. 
São 5 faixas de composição própria, que trazem um rock clássico beirando o hard e garagem, próximos aos sons das citadas acima. As músicas são cantadas em russo e o instrumental é básico, com guitarra liderando, acompanhada por baixo, bateria e teclado. A qualidade da gravação é novamente um ponto negativo.
Interessante registro para fãs do rock na antiga cortina de ferro.

Top obscurity from USSR, formed in Leningrad and now St. Petersburg, by former musicians from local bands already posted here, such as Sankt Peterburg (photo above) and Mifi. Apparently this was the only live performance of the short-lived group whose recordings were miraculously saved and today run the internet, but with no official release.
There are 5 tracks of own composition, that bring a classic rock with influences of the hard and garage, next to the sounds of the mentioned above. The songs are sung in Russian and the instrumental is basic, with guitar leading, accompanied by bass, drums and keyboard. The quality of the recording is again a negative point.

Músicos:
?

Faixas:
 01 Песнь о дружбе
02 Всё к лучшему
03 Посвящение людям искусства
04 Послушай, милый друг...
 05 О, как трудно мне представить...

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

PROG / SOFT ROCK - CONTROCORRENTE - Same - 1979


Artista / Banda: Controcorrente
Álbum: Controcorrente
Ano: 1979
Gênero: Progressive / Soft Rock
País: Itália

Comentário: Obscuridade vinda da Itália, cujas informações são quase inexistentes. Lançaram um único disco pelo pequeno selo EUN e sumiram do mapa, assim como várias bandas locais no período. O homônimo é composto por 10 curtas faixas cantadas em italiano e que trazem um progressivo bastante melódico e 'soft' rock, sendo o instrumental mais contido e acústico, onde destacam-se algumas passagens mais sinfônicas de teclados (piano, órgão e sintetizadores), acompanhadas de percussão e violão.
Longe de uma obra-prima do estilo, porém ainda interessante para fãs de RPI.

Obscure Italian Xian Pop/Psych, recording for Editrice Uomini Nuovi, the same label, that released the La Sorgente album.Leader was Massimo Ruggieri, violinist, keyboardist and singer of the band.Reputedly close to Prog, but this is actually Soft Rock with poppy sensibilites and minor psychedelic touches, similar to Il Volo Di Icaro and Siamo.Instrumental armour contains guitars, various keys, piano, violin, bass, drums, but the music is generally mellow, warm and melodic with very rare instrumental explosions.A couple of tracks contain some symphonic keyboards, mostly synthesizers, and a couple of others are breezing a few beautiful melodies.And that's about it.
Text: Rate Your Music

Músicos:
Massimo Ruggieri (vocal, piano, órgão, sintetizador, violino, violão)
Roberto Pilloni (vocal, baixo, guitarra)
Sandro Scoccia (vocal, percussão)
+
Luciano Ridolf (vocal, violão)
Franco Nocera (vocal, violão)
Marco Carpita (violão)
Aldo Gallozzi (percussão)
Carmelo D'Antone (percussão)
Carla Salvoni (vocal)

Faixas:
01 Controcorrente 04:28
02 L'Amico 03:30
03 Un Nuovo Giorno 05:00
04 Se Volo Con Lo Sguardo 04:47
05 Inno 04:08
06 E'Amore 04:16
07 Hai Mai Visto? 04:49
08 Prigioniero D'amore 03:08
09 La Voce 04:16
10 Tu! 04:37

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

HARD PROG - ALMA DA TERRA - Same - 1982


Artista: / Banda: Alma da Terra
Álbum: Alma da Terra
Ano: 1982
Gênero: Hard Prog
País: Brasil

Comentário: Trio de Niterói, Rio de Janeiro, ativa no começo dos anos 80 e que lançou apenas um raro LP, começando as gravações para um segundo, que infelizmente nunca saiu, ganhando certa popularidade local por conta da Fluminense FM. O homônimo contém 10 curtas faixas que transitam entre o hard, progressivo, psicodelia, bebendo da fonte setentista nacional, porém tendo certa roupagem mais 'moderna'. O instrumental é direto e bem executado, onde a guitarra de Agra domina, com riffs e solos marcantes, acompanhado pela boa 'cozinha', além de alguns momentos acústicos. As letras são todas em português e também bem elaboradas.
Uma ótima pérola do rock brazuca, recomendado para fãs da safra 70/80.

Trio from Niterói, Rio de Janeiro, active in the early 80's and only released one rare LP, starting the recordings for a second, which unfortunately never came out. The self-titled contains 10 short tracks that move between hard, progressive and psychedelia, with clear influences of 70's bands, but having some more 'modern' style. The instrumental is straight and well executed, where the Agra's guitar dominates, with remarkable riffs and solos, accompanied by good 'kitchen', plus some acoustic moments. The lyrics are all in Portuguese and also well elaborated.



Músicos:
Fábio Mattos Agra (vocal, guitarra, violão)
Paulo Fernandes Martins (vocal, baixo)
Antônio Augusto Ventura (bateria)

Faixas:
01 Solto no Ar
02 Vivença
03 Pra John
04 Tente Mais Uma Vez
05 Natural
06 Cante Comigo
07 Cabeça Feita
08 Anjos de Cristal
09 Alma da Terra
10 Não Morra de Susto

sábado, 2 de setembro de 2017

FOLK - HÉCTOR PAVEZ - Chants Et Danses Du Chili - 1975


Artista / Banda: Héctor Pavez
Álbum: Chants Et Danses Du Chili

Ano: 1975
Gênero: Andean Folk / Nueva Cancion Latinoamericana
 País: Chile

Comentário: Músico chileno nascido na capital Santiago em 1932 e que desde o fim dos anos 50 destacou-se como representante de canções folclóricas do país. Faleceu em 1975 devido a complicações cardíacas, tendo 4 discos em carreira solo, sendo o último, que posto aqui, produzido na França (devido ao exílio após o golpe de 1973). São 13 faixas curtas que, como indica o título, representam diversos tipos de cantos e danças tradicionais, transitando entre o folk andino, em termos de ritmos e instrumental e a nueva canción latinoamericana, pela lírica crítica. É basicamente acústico, com uso de violões, percussão, flauta e instrumentos típicos.
Um belo disco para fãs e aqueles que querem conhecer sobre folk sul-americano e nueva canción.


Chilean musician born in the capital Santiago in 1932 and that since the end of the 50s has distinguished himself as representative of folk songs of the country. He passed away in 1975 due to cardiac complications, releasing 4 solo career albums, being the last, that I post here, produced in France (due to the exile after the coup of 1973). There are 13 short tracks that, as the title indicates, represent different types of traditional songs and dances, transiting between the Andean folk, in terms of rhythms and instrumental and 'Nueva canción latinoamericana', by the critical lyrics. It is basically acoustic, with the use of acoustic guitars, percussion, flute and typical instruments.

A beautiful album for fans and those who want to know about South American folk and new song.


Músicos:
Héctor Pavez (vocal, violão, guitarra)
?

Faixas:
01 Ulluni 3:46
02 Cachimbo tarapaqueno 2:48
03 Surai surai 2:30
04 Quien dice que no se goza 1:40
05 El diablo con una espuela 3:13
06 La Luna estaba en el cielo 2:57
07 El pavo 1:52
08 El rabel para ser fino 2:21
09 De la Argentina vengo 2:17
10 La huillincana 2:06
11 La malaena 2:22
12 La pericona 2:33
13 Que pena que siente el preso 1:50